Bruno Cássio – Ascom/LAIS/UFRN

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) tem expandido, cada vez mais, as atividades de cooperação técnica para municípios do Rio Grande do Norte. A segunda maior cidade do estado, com um pouco mais de 300 mil habitantes, contará, a partir de agora, com uma ferramenta de monitoramento inteligente dos casos de sífilis. Na manhã desta terça-feira (10), foi encerrado o treinamento dos profissionais de saúde de Mossoró que vão implementar o uso da plataforma Salus em suas rotinas de trabalho.

A equipe de pesquisadores do LAIS/UFRN, composta por Fernando Lucas de Oliveira, André Noronha e Nícolas Veras, realizou, durante dois dias, a capacitação dos colaboradores que atuam no enfrentamento à sífilis nas Unidades Básicas de Saúde Laíre Rosado, Sinharinha Borges e Cid Salem, além de profissionais que trabalham na Coordenação da Atenção Básica, na Vigilância Epidemiológica e no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA).

A Secretária Municipal de Saúde, Morgana Dantas, participou do encerramento da capacitação e destacou a relevância dessa parceria com o LAIS/UFRN: “a gente vai conseguir monitorar melhor, de forma inteligente, os agravos epidemiológicos na cidade de Mossoró, principalmente, os relacionados à sífilis”, enfatizou ao falar sobre as vantagens do acesso a essa tecnologia e a adesão dos profissionais de saúde a essa iniciativa.

Os participantes da capacitação foram orientados a simular inserção de um caso de sífilis no sistema. Em poucos segundos, eles tiveram acesso a uma série de dados necessários para definir a adoção de procedimentos. Lindemberg Mendes, Enfermeiro da UBS Sinharinha Borges, chamou a atenção para a mudança na abordagem de casos de sífilis em gestantes: “a gente vai ter condições de rastrear, de acompanhar todo o atendimento da gestante, todo o tratamento, desde o diagnóstico, até o fechamento do caso”.

De acordo com Érica Cibele Cunha, Diretora da Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde de Mossoró, a ferramenta Salus vai proporcionar a união de duas áreas importantes na prestação dos serviços aos cidadãos: “a gestão ficou muito feliz com essa parceria com o LAIS, para estreitar esses laços, Vigilância e Atenção Básica, para a gente poder fazer o monitoramento e acompanhamento dos dados e dar um melhor tratamento à população”.

Projeto Sífilis Não

A plataforma Salus foi desenvolvida no âmbito do Projeto “Sífilis Não”, uma parceria entre o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN), o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para o enfrentamento à sífilis no território brasileiro.