Notícias

Em missão nos EUA, pesquisadores do LAIS desenvolvem equipamento para diagnóstico definitivo da sífilis

Pesquisadores do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) estão na cidade de Boston, nos Estados Unidos. A missão visa desenvolver tecnologias para auxiliar profissionais da atenção básica no diagnóstico da sífilis. A meta do grupo é agilizar o processo de identificação da doença, para assim tornar ainda mais rápido também o tratamento.

 

O grupo do laboratório que está na cidade americana é liderado pelo pesquisador Pablo Holanda. A expectativa, de acordo com ele, é desenvolver um equipamento que possa fazer o diagnóstico definitivo da sífilis no menor prazo possível.

 

"Hoje, para ter um diagnóstico definitivo sobre a doença, o resultado demora cerca de 15 dias para ficar pronto. Estamos desenvolvendo um equipamento que vai possibilitar fazer esse mesmo diagnóstico definitivo em apenas 15 minutos. É importante diferenciar este equipamento do teste rápido, que embora já exista e seja eficaz, não dá um resultado definitivo. Para se ter uma ideia, o diagnóstico definitivo da doença demora cerca de 15 dias para ser feito. Com nosso equipamento, a expectativa é que o resultado saia em até 15 minutos", afirmou o pesquisador.

 

Nesta segunda-feira (7), os pesquisadores se reuniram com a CEO da startup americana ConquerX, Deborah Zanforlin, onde discutiram ações no sentido de desenvolvimento do equipamento.

 

Pablo destacou a importância desta tecnologia, que visa atender a atenção primária. "Vamos possibilitar que já na unidade de saúde o paciente possa ter um diagnóstico definitivo e que inicie seu tratamento. Tudo isso com uma solução de baixo custo", disse.

 

Sífilis Não

O Projeto de Resposta Rápida à Sífilis nas Redes de Atenção - Sífilis Não - é fruto de uma parceria entre o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS/UFRN), o Ministério da Saúde (por meio do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais/DIAHV), e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

 

As ações têm como objetivo, entre outros, ampliar o acesso da população ao diagnóstico da sífilis e ao tratamento na rede básica de saúde.

08 de January de 2019